Com saúde em crise Guajará-Mirim tem o quinto nome na pasta

0
314

A situação continua crítica na rede de saúde municipal de Guajará-Mirim. Na quarta-feira (15), a prefeita Raíssa da Silva Paes, nomeou a quinta pessoa para conduzir a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa). A servidora Luzia da Rocha Nunes assumiu como interina e tem o desafio de suprir as unidades de saúde com produtos básicos. Falta de água mineral a medicamentos e a equipe está desmotivada. “Estamos em falta de vários insumos básicos, como água para bebermos, copo para a população e medicarmos básicos”, disse uma servidora que não quis se identificar devido a perseguições que vem ocorrendo.

A farmácia fica fechada no período da noite devido ao corte do adicional noturno dos auxiliares, e ainda por falta de profissional farmacêutico no plantão. “É um absurdo isso porque em caso de emergência não tem como atender o paciente”, disse a servidora. “Se um profissional faz um trabalho extra de seu serviço habitual, ele é questionado pela gestão. Tudo isso soma-se a falta de segurança que normalmente nos assola e a falta de entendimento dos gestares de que a saúde de Guajará-Mirim, tanto no hospital, como nos postos de saúde está de péssima qualidade”, desabafou.

+  Departamento Estadual de Trânsito vai liberar R$ 650 mil para sinalização do trânsito de Guajará-Mirim

Outro problema que vem desmotivando a equipe é a defasagem salarial. Além de não ter reajustes, as gratificações foram cortadas na atual gestão. As ambulâncias estão com as manutenções em falha e quando precisa fazer remoção de paciente para fora do município há o risco de quebrarem ou sofrerem acidentes.

+  Ladrões violam cadeados e invadem Escola Municipal

Nesta semana, o vereador Alexandre Melo recebeu reclamações de servidores de pacientes e foi presencialmente verificar as condições das unidades de saúde. Considerou como descaso e prometeu acionar os órgãos de controle.

Por Redação DIÁRIO DA AMAZÔNIA

Deixe um comentário