Home / NOTÍCIAS / VII Festin-Açu reúne 136 artistas brasileiros e bolivianos em Guajará-Mirim

VII Festin-Açu reúne 136 artistas brasileiros e bolivianos em Guajará-Mirim

Na sétima edição do Festival Internacional de Teatro Festin-Açu iniciou na última quinta-feira (30) e acontece até o próximo domingo (3) em Guajará-Mirim (RO), município localizado na fronteira com a Bolívia, a cerca de 330 quilômetros de Porto Velho. O diferencial neste ano é a realização do evento cultural também na cidade boliviana de Guayaramerín, com 136 artistas dos dois países, o que ainda não havia acontecido anteriormente.

A organização do Festin-Açu é realizada pela Associação Cultural Waraji, de Guajará-Mirim, que conta com vários artistas regionais em vários segmentos como teatro, dança, música e oficinas artísticas.

Um dos artistas que está participando do festival é o ator Rafael Barros, de apenas 20 anos, que veio da capital para se apresentar nas duas cidades. Ele conta que sempre foi apaixonado pela arte, mas que só começou a trabalhar na área a partir de 2012 e atualmente faz trabalhos independentes, além de participar como convidado de companhias de teatro do estado.

“Acompanho o Festin-Açu desde 2014 e sempre trago algum trabalho, o deste ano é ‘Invisibilidade’, que é um espetáculo de rua. Me apresentei fora do país pela primeira vez e gostei da experiência, foi bastante interessante e provocativo”, diz o artista.

O artista Rafael Barros fez sua primeira apresentação internacional na Bolívia (Foto: Thaiz Lucksis/Arquivo Pessoal)

O artista Rafael Barros fez sua primeira apresentação internacional na Bolívia (Foto: Thaiz Lucksis/Arquivo Pessoal)

Segundo a diretora de produção do festival Thaiz Lucksis, o Festin-Açu é o único festival internacional de teatro do Estado, mas apesar disso não conta com o apoio financeiro do poder público. A realização é feita com recursos próprios e apoio dos artistas e servidores da Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Turismo (Semcet), que ajudam na organização.

“A intenção é difundir as expressões artísticas e valorizar a questão cultural dos artistas locais, mas ao mesmo tempo é fazer esse intercâmbio com artistas bolivianos. Não tem como falar de cultura na fronteira sem envolver a Bolívia, já que moramos aqui”, explica Thaiz.

Programação

A abertura oficial será às 20h desta sexta-feira (1º) no Museu Histórico Municipal, no Bairro Centro. Durante a abertura irão se apresentar a Banda de Música do Exército Brasileiro, a Fanfarra da Escola Estadual Paulo Saldanha e a estreia da Banda Usuruê, formada por músicos locais com músicas autorais.

No sábado (2) serão oferecidas três oficinas para o público, de poesia, composição e performance, inclusive para crianças. A partir das 20h, o auditório do campus da Universidade Federal de Rondônia (Unir) será palco para a apresentação das peças teatrais dos grupos da Bolívia e também artistas brasileiros.

O encerramento está previsto para o domingo (3) com o lançamento oficial do livro ‘Elder e a Estrela de Jali”, do escritor Carlos Antônio Chagas, da Academia Rondoniense de Letras.

FONTE:G1

Comentários do Facebook

Comentários

Leia também

Pouca verba prejudica ações de fronteira

Estratégia usada para solucionar o baixo orçamento é evitar realizar operações pontuais Rondônia é delineada ...

%d blogueiros gostam disto: