Home / NOTÍCIAS / PF nas ruas: Justiça de Rondônia manda prender parentes e aliados de Beira Mar em cinco estados

PF nas ruas: Justiça de Rondônia manda prender parentes e aliados de Beira Mar em cinco estados

A Polícia Federal cumpre, desde às 6 horas desta quarta-feira (24), mandados de prisão em Rondônia e outros quatro estados e no Distrito Federal contra a quadrilha do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. Segundo as investigações, mesmo preso na Penitenciária Federal de Porto Velho, o criminoso expandiu sua área de atuação e tem um lucro mensal de R$ 1 milhão com os crimes. As informações são dos telejornais “Bom Dia Rio” e “Bom Dia Brasil”.

Ele comandava a quadrilha por meio de mensagens de papel e de celular. A investigação começou quando agentes penitenciários encontraram um bilhete em pedaços dentro de uma quentinha.

De acordo com a PF, além do tráfico, ele também explora caça-níqueis, a venda de botijões de gás, de cestas básicas, de cigarros, a circulação de mototáxis e até mesmo o abastecimento de água.

Já estão presos um filho de Beira-Mar — ele foi capturado na Paraíba — e um homem de confiança do traficante, no Ceará. Os agentes visam a cumprir outros 33 mandados de prisão, 27 de condução coercitiva e 86 de busca e apreensão. A ação acontece simultaneamente no Rio, em Rondônia, no Mato Grosso do Sul, na Paraíba, no Ceará e no Distrito Federal.

Há equipes da PF em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, onde estão os principais redutos de Fernandinho, que são as favelas Beira-Mar, Parque das Missões e Parque Boavista. Um dos focos da ação é um condomínio de luxo em Caxias, onde mora a irmã de Beira-Mar, Alessandra Costa. Ela é apontada pelo Ministério Público Federal como conselheira do traficante e acusada de formação de organização criminosa e de lavagem de dinheiro.

De acordo com a investigação, o dinheiro do tráfico internacional de drogas era dirigido a algumas empresas. Em troca, os empresários levavam parte do dinheiro. A quadrilha chegou a movimentar R$ 9 milhões nos últimos anos. Ele é investigado por influência política, porque teria indicado nomes para a Câmara de Vereadores de Caxias.

Fonte: Rondoniagora

Comentários do Facebook

Comentários

Leia também

Campanha vem sendo realizada para translado do corpo de estudante brasileiro que morreu na Bolívia

Amigos do jovem brasileiro Marllon Almeida Campos da Silva, 20 anos, que morreu no último ...

%d blogueiros gostam disto: